ANTENA DO POP - O MELHOR DO MUNDO POP!
Shadow

Os maiores sucessos da Remedy: a música que fez os jogos

4237299 remedylarge

Mais do que apenas a maneira como abordam a narrativa, o design de níveis e o uso de armas, há uma constante em cada um dos títulos da Remedy: eles sempre terão a música perfeita para a ocasião perfeita. Embora Alan Wake 2 seja certamente sua obra-prima nesse aspecto entre vários concorrentes, já é hora de darmos uma olhada nas melhores quedas de agulha na longa história do estúdio.

Tema de Max Payne – Kärtsy Hatakka/Kimmo Kajasto (Max Payne)

O legado do Max Payne original está muito ligado à época de seu lançamento. Foi o primeiro videogame a implementar totalmente o tiroteio em câmera lenta que John Woo e as Irmãs Wachowski vinham tentando transformar em Coisa. Mas tudo isso parecia ultrapassado à medida que outros jogos surgiam e diluíam a fórmula. O bullet-time pode ter sido o que atraiu os jogadores. Mas foram as vibrações neo-noir das histórias em quadrinhos que perduraram ao longo dos anos. O leitmotiv constante dessas vibrações é esse tema, uma tendência sombria de piano que deu ainda mais profundidade e seriedade à narração de detetive irregular, autodepreciativa e dura de James McCaffrey, e seria o lembrete constante dos crescentes fracassos de Max com o passar do tempo. , com a versão totalmente baseada em cordas do tema representando o fundo do poço absoluto para nosso herói no terceiro jogo desenvolvido pela Rockstar.

Adeus tardio – Poetas da Queda (Max Payne 2: A Queda de Max Payne)

Mesmo com todas as outras maneiras pelas quais Max Payne 2 representa um grande salto na ambição acima de seu antecessor, ele ainda é subestimado pelo quanto a Remedy conseguiu executar uma grande e trágica história de amor no meio de um drama policial de tiro em terceira pessoa, com a assassina Mona Sax entrando como uma bola de demolição na vida de Max e lembrando-o de que não, depois de todos os corpos deixados em seu rastro, Max não terá um final feliz para sempre. Isso era normal para o noir polpudo, mas era uma novidade para os jogos da época. Quando Mona morre em seus braços e Max decide viver para sempre com o peso disso em seu coração, a situação ainda bate forte. E então aquelas primeiras batidas suaves de guitarra de Late Goodbye chegam e torcem ainda mais a faca.

A música em si toca durante todo o jogo em vários momentos, com vários personagens tocando ou cantando a melodia, e ainda assim, a versão completa ressaltando a tragédia no final do jogo é agridoce e perfeita de uma forma completamente inesperada em 2003. É o primeiro experimento bem-sucedido nas maneiras como a Remedy usaria a música cinematograficamente daqui para frente, o início de uma bela amizade entre Poets of the Fall e os jogos da Remedy e, mesmo em seus próprios termos, uma bela e melancólica música de rock que, se Max Payne 2 não o usasse, provavelmente teria entrado em um filme algum dia.

Estranheza no Espaço – David Bowie (Alan Wake)

O primeiro Alan Wake está repleto de excelentes e tematicamente ricos lançamentos de agulha, especialmente por seus intervalos no meio do capítulo – usar Haunted de Poe é um golpe de gênio particularmente meta – mas o golpe de mestre foi deixar Bowie nos levar ao esquecimento quando Alan percebe O Lago Cauldron não é um lago, mas uma espécie de oceano.

Dado o tom maravilhoso e pasmo da música, é fácil esquecer o horror sutil do resto da música. Space Oddity é a história de um homem preso na escuridão do espaço sideral, perdendo contato com o controle do solo enquanto sua espaçonave se afasta da Terra. Foi inspirado na parte aterrorizante de 2001, depois que HAL decidiu se tornar desonesto, desconectar Frank Poole e matar a tripulação durante seu sono criogênico. Alan Wake é talvez a primeira mídia a restaurar o poder angustiante da música de Bowie, deixando-a sublinhar o momento estranho em que Alan Wake está desconectado da realidade como a conhecemos, preso em uma perdição incognoscível, a menos que ele consiga escrever uma saída. Levaria 13 anos antes de descobrirmos se ele alguma vez o fez. Major Tom apagou a luz. Pelo menos ele ainda podia ver a Terra.

The Happy Song – Poetas do Outono (American Nightmare de Alan Wake)

O lugar de American Nightmare no cânone de Alan Wake é um pouco tênue pós-Alan Wake 2. Além de fazer um trabalho melhor na caracterização do abominável Sr. Scratch, é basicamente uma das menores tentativas de Alan de sair do Lago Cauldron. Essa é uma parte muito importante do que viria, no entanto. Mesmo que The Happy Song não seja exatamente o momento mais poético de Poets of the Fall, também é uma presença deliberadamente perturbadora e vinda do nada no jogo, aparecendo apenas durante os comerciais do Scratch, nos quais ele é meio Coringa, meio vendedor de carros usados, e toda loucura. Scratch ainda não é a entidade incognoscível que ele se tornou, mas há algo em sua iteração do American Nightmare que é igualmente enervante.

Higgs Boson Blues – Nick Cave & the Bad Seeds (Quantum Break)

Todos os jogos recentes da Remedy têm sua parcela de riscos cosmicamente aterrorizantes de longo alcance, mas Quantum Break nos ameaça com a capacidade do tempo de quebrar até mesmo como uma força física e, assim, destruir completamente o universo ainda é talvez o ápice de todos eles. O último terço do jogo é ofegante, estressante e absolutamente desconcertante com suas travessuras de viagem no tempo. Embora ainda não saibamos se Jack Joyce aceita esse trabalho com a Monarch (embora dependendo de quem você perguntar, Alan Wake 2 possa ter respondido a essa pergunta), no final do jogo, você pode expirar. E a trilha sonora dessa expiração é Higgs Boson Blues de Nick Cave, um tributo elegíaco e lamentoso a toda a estranha extensão da história humana, tudo que Jack Joyce salvou ao colocar Paul Serene na terra. No contexto, é o mais tranquilo que você pode esperar de um jogo que começa com um loop temporal e termina com nosso protagonista não vendo mais o tempo como linear. Mas também é incrível que qualquer videogame seja legal o suficiente para terminar com uma música de Nick Cave.

Assuma o controle – Antigos Deuses de Asgard (Controle)

O segundo em que essa música começa é o momento em que a Remedy sobe de nível como estúdio. Eles não apenas conseguem quebrar o ambiente estéril e alienígena do Federal Bureau of Control com um raio absoluto de energia, mas também nos dão uma visão sobre o zelador favorito de todos, Ahti, mas essa música é a trilha sonora do Ashtray Maze , uma das peças mais audaciosas de design de níveis da memória recente. É simplesmente um momento perfeito de videogame, acompanhado de uma faixa absoluta de Old Gods of Asgard que seria digna de um lugar na playlist de qualquer metaleiro, mesmo sem o contexto do jogo.

Arauto das Trevas – Antigos Deuses de Asgard (Alan Wake II)

E, claro, há a obra-prima da Remedy. Vale a pena citar This Road, de Poe, por nenhuma outra razão, a não ser que Sam Lake conseguiu tirá-la da semi-aposentadoria apenas para ser uma parte crucial deste jogo. Mas não há como tocar neste, uma ópera rock interativa completa de mais de 10 minutos. Para começar, é uma maravilha técnica, com múltiplos palcos, falsos acabamentos e entradas surgindo do nada conforme a música exige. Um show de rock completo está sendo projetado em todas as paredes do estúdio, lembrando aquele incrível jogo Radiohead Kid A Mnesia de alguns anos atrás. Ainda nos dá muitas narrativas e insights ao longo do caminho, com os cenários retratando toda a vida de Alan Wake como um museu. Termina com todo o nosso elenco recebendo um número de dança de ação ao vivo completo no final. Tudo volta à música, no entanto. Houve tentativas de inserir musicais reais nos jogos, desde Celes encontrando seu cantor de ópera interior em Final Fantasy VI, até a maior parte do elenco de Critical Role fazendo um RPG musical em Stray Gods este ano. Poucos tiveram tanto sucesso ou foram inesquecíveis como este.