ANTENA DO POP - O MELHOR DO MUNDO POP!
Shadow

O fim, começamos com a revisão

Uma jovem mãe e o seu filho recém-nascido lutam para sobreviver a um desastre ecológico que devastou a Grã-Bretanha. O fim do qual começamos assume um tom mais pensativo e feminino em um gênero geralmente dominado pelo heroísmo machista. Não há tiroteios, canibais ou terrenos baldios apocalípticos aqui. Para onde você vai sem comida ou abrigo? Você pode confiar que estranhos não explorarão ou prejudicarão sua família em uma situação desesperadora? O filme parece lúcido e comovente, mas sofre de problemas de ritmo e de um resultado previsível. A falta de um clímax forte diminui o interesse, independentemente dos personagens atraentes.


Uma mulher grávida (conhecida apenas como ‘Mãe’ e interpretada por Jodie Comer) está sentada em sua casa em Londres durante uma forte tempestade. As notícias alertam para inundações sem precedentes e condições meteorológicas perigosas. A água escorre por baixo da porta da frente. Ela foge escada acima para escapar do dilúvio, mas tem outra crise. A mãe entra em trabalho de parto enquanto a calamidade se instala lá fora. Ela liga para os serviços de emergência, mas eles estão sobrecarregados.

O filme corta para a mãe no hospital com o filho. R (Joel Fry), seu marido, finalmente chegou. Eles estão muito felizes, apesar do estado de pânico do hospital. R está grato por uma ambulância ter conseguido resgatá-la. A família volta para casa em condições inabitáveis. Eles precisam chegar a lugares mais altos. R decide ir de carro até a casa de seus pais, no interior da Inglaterra.


O público final começa

O trânsito serpenteia por quilômetros sob uma chuva torrencial. As autoridades bloquearam o acesso à aldeia. Somente residentes comprovados têm permissão para se refugiar. A mãe e R imploram para entrar com o bebê. Eles são recebidos com entusiasmo por seus pais (Mark Strong, Nina Sosanya). Os suprimentos logo se reduzem a nada. Não sobrou uma migalha para limpar. R e seus pais não têm escolha a não ser deixar seu santuário. A mãe cuidará do bebê enquanto eles tentam chegar a um centro de distribuição de emergência. Ela faz uma longa caminhada para clarear a cabeça. A mãe fica apavorada quando encontra um estranho saqueando a casa.

O fim do qual começamos não perde tempo com detalhes ou exposição. Baseado no romance de Megan Hunter, você é jogado no fundo da narrativa sem colete salva-vidas. Os personagens não são nomeados por um motivo legítimo. Mãe, marido, bebê e pais devem ser representações gerais de pessoas comuns. Estes arquétipos têm um lugar e uma função conhecidos na sociedade, mas os papéis aceites tornam-se confusos quando a civilização entra em colapso. Aqueles que devem ser fortes e solidários aprendem a crueldade do fracasso.

Relacionado: O fim do qual começamos: este thriller de sobrevivência é baseado em um livro?

Diretora Mahalia Belo (Réquiem, a longa canção) constrói a força do protagonista por meio da necessidade urgente. O sofrimento toma conta da ausência de esperança. R, um homem que ama e valoriza a sua família acima de tudo, vacila quando a dor da tragédia se torna intransponível. Ele não é um patriarca duro e resiliente com respostas. Alguns podem considerá-lo covarde ou fraco, mas desistir não é uma saída fácil. R faz uma escolha crítica para garantir a segurança de sua esposa e filho. São cenas difíceis de assistir, mas refletem uma verdade selvagem. Ele não pode ser um problema para a mãe em tempos perigosos.

Desempenho diferenciado de Jodie Comer

Jodie Comer em The End We Start From com o oceano atrás dela
Entretenimento exclusivo

O fim do qual começamos introduz um personagem central no segundo ato. O (Katherine Waterston) é outra mulher com uma filha pequena. Ela se torna a aliada mais valiosa da mãe à medida que tudo se transforma em uma nova catástrofe. A jornada de O teve um começo diferente, mas um resultado semelhante. Os homens não seriam salvadores, apesar de seus melhores esforços. Mãe e O formam uma aliança que se transforma em um vínculo forte. Salvar seus filhos é fundamental. A mãe finalmente tem uma companheira forte, mas isso não significa que elas concordam sobre o rumo a seguir.

Relacionado: Os 30 melhores filmes apocalípticos de todos os tempos, classificados

Joder Comer continua a ser notável em uma performance altamente matizada. A cena inicial de seu parto mostra resistência e determinação. O coração da mãe se parte, mas seu comportamento robusto nunca vacila. A mãe segue em frente independentemente dos obstáculos em seu caminho. Ela não é Sarah Connor de O Exterminador do Futuro. Mãe não é uma especialista em armas ou uma lutadora durona. Como diretora, Belo reforça constantemente uma destreza física mais admirável para seus personagens do que os habituais tropos de ação. A mãe caminha quilômetros carregando um bebê e suprimentos escassos em busca de refúgio. Comer não fala muito durante todo o filme. Suas ações falam mais alto que palavras. A mãe não pode sucumbir ao desespero e arriscar o filho.

O fim do qual começamos requer uma sensibilidade adulta. O filme infere violência desenfreada, mas evita a carnificina e a brutalidade normalmente vistas nesta premissa. Estamos perfeitamente conscientes do que está acontecendo, sem detalhes sangrentos. Mãe é sempre o foco. Há também um pouco de humanidade em alguns de seus encontros. Benedict Cumberbatch exerce dupla função como produtor e tem uma participação especial comovente. Estranhos podem ser gentis com uma mulher e um bebê famintos. É aí que reside a moral desta história. Podemos nos manter fiéis aos nossos valores em circunstâncias difíceis.

O fim do qual começamos é uma produção de SunnyMarch, Hera Pictures, Anton, BBC Film, BFI e C2 Motion Picture Group. Atualmente está em lançamento limitado nos cinemas nos EUA pela Republic Pictures. A Signature Entertainment lançará o filme em mais cinemas no início de 2024.