ANTENA DO POP - O MELHOR DO MUNDO POP!
Shadow

O diretor do Sunrise, Andrew Baird, explora vampiros e racismo

Em Nascer do sol, um ex-policial (Alex Pettyfer) é transformado em um vampiro sanguinário após um ataque selvagem. Logo, ele se vê defendendo uma viúva asiática e seus filhos de Reynolds (Guy Pearce), um brutal supremacista branco. Nascer do sol diretor André Baird aborda “o vampirismo como se fosse um vício criado a partir de um grande trauma. Foi uma maneira de lidar com a perda de sua família de uma maneira tão horrível […] Então a família que acabou morando em sua casa o devolve a alguma forma de humanidade.”


Baird evita violência extrema e sangrenta para se concentrar em temas dramáticos. “O roteiro em si poderia ter sido interpretado de várias maneiras. Tinha ecos de O Corvo, Shanee os faroestes clássicos [with] o homem sem nome. Eu simplesmente não estou interessado nessa coisa de pornografia de tortura. Para mim, é adolescente. É imaturo. Nascer do sol definitivamente tem um tom muito escuro. Mas no final, espero que pareça uma catarse. Este personagem encontra catarse na dor.”

Nascer do sol transcende o gênero de terror ao abordar o racismo e a xenofobia com franco realismo. Baird conta-nos que a narrativa mudou de uma família africana na Irlanda do Norte para asiática no noroeste do Pacífico. “Foi um assunto muito quente. Mas eu fui direto ao ponto. Não tenho reservas sobre isso. Quanto mais PC você for sobre essas coisas, mais racista você será. Eu só acho que é um disfarce total. Foi recomendado que mudamos a família para uma família asiática. Essa é a realidade em que estamos hoje. Você só precisa ter muito cuidado. Sou um pouco renegado. Mas espero que pareça que há um tratamento genuíno das situações no filme.” Leia nossa entrevista completa com Andrew Baird.


As imagens poderosas do nascer do sol

Nascer do sol

Nascer do sol

Data de lançamento
19 de janeiro de 2024

Diretor
André Baird

Tempo de execução
1h 24min

Escritoras
Ronan Blaney

FilmeWeb: Nascer do sol tem uma visão única do vampirismo. O roteiro de Ronan Blaney não tem nenhuma criatura monstruosa atacando você. A sede de sangue do Casaco Vermelho é mais parecida com uma doença. O que o intrigou nessa abordagem?

André Baird: Abordamos o vampirismo como se fosse um vício. O vício foi criado a partir de um grande trauma. Foi uma forma de lidar com o grande trauma desse cara ter perdido a família de uma forma tão horrível. Isso meio que o colocou nesse purgatório até o momento em que ele encontra essa família. Ele está neste purgatório de ressentimento, perda e dor. Aí a família que acabou morando em sua casa o devolve a alguma forma de humanidade, essa espécie de catarse saudável. É realmente uma metáfora para a recuperação do vício.

PM: Não sou fã de violência pornográfica grotesca e torturante à la Eli Roth. Nascer do sol tem imagens selvagens, como carcaças de animais, mas não é gráfica de forma extrema. Por que seguir esse caminho para um filme de terror?

André Baird: Interpretei o roteiro de Roman de uma forma muito específica. Eu trouxe muitos dos meus pontos de vista pessoais sobre as coisas. O roteiro em si poderia ter sido interpretado de várias maneiras. Tinha ecos de O Corvo. Tinha ecos de Shanee os faroestes clássicos [with] o homem sem nome, tinha tantas coisas diferentes. Poderia facilmente ter sido uma violência muito mais sangrenta e sangrenta. A propósito, Eli Roth é um cineasta muito sólido. Ele é um cineasta muito bom, mas eu simplesmente não estou interessado nessa coisa de pornografia de tortura. Para mim, é adolescente. É imaturo. Sou pai há muito tempo. Eu não quero entrar nisso. Eu estaria mais interessado em explorar o lado sexual do que a violência. Na verdade, farei isso no próximo filme que farei.

Nascer do sol definitivamente tem um tom muito escuro. Mas no final, espero que pareça uma catarse. Este personagem encontra catarse na dor. Então, sim, eu não tive absolutamente nenhum interesse e eliminei muitos momentos de extrema violência e sangue. Eu simplesmente não tenho nenhum interesse nisso.

PM: O racismo, a xenofobia e o nacionalismo branco do filme me pegaram de surpresa. Reynolds, personagem de Guy Pearce, é um indicativo do que estamos vendo na América. Os imigrantes estão a chegar, tentando começar a sua própria vida, e são rotulados como o “outro” que deve ser libertado por todos os meios necessários. Essas cenas, especialmente as injúrias raciais, são muito chocantes. Fale sobre o desenvolvimento específico dessa parte da história.

André Baird: O racismo era enorme. Também foi um assunto muito quente, você sabe, sobre como lidar com isso, etc. Mas eu meio que fui direto ao assunto. Não tenho reservas quanto a isso. Porque eu pessoalmente acho, na minha experiência, que quanto mais politicamente correto você é sobre essas coisas, mais racista você é. Eu só acho que é uma cobertura total. Eu penso: “Oh, como devo chamá-lo?” É tudo besteira. Você pode dizer imediatamente se alguém está sendo sincero ou não.

Relacionado: 25 melhores filmes de vampiros de todos os tempos, classificados

André Baird: Esta história veio de um escritor da Irlanda do Norte. Foi inicialmente ambientado na Irlanda do Norte. Foi realmente uma metáfora para os problemas na Irlanda do Norte. A família imigrante, creio eu, era africana. Conheço pessoas africanas, muitos nigerianos, que se mudaram para Dublin e para a Irlanda. Então conheço afro-americanos, obviamente por estar na América. É uma coisa muito diferente. O racismo nos Estados Unidos é muito mais intenso porque aqui existem todos os tipos de pessoas. A família foi mudada para uma família asiática. A razão para isso é que era um assunto muito quente. Foi recomendado que mudássemos a família para uma família asiática. Eu só queria resolver isso. Achei que era relevante.

André Baird: Há algumas imagens poderosas com sua esposa. Há ódio. Existe o mal, era isso que eu queria transmitir bem rápido. Esse tipo de maldade, como o que está acontecendo neste momento no Oriente Médio, toda essa insanidade. Este é apenas um filme. É um filme de gênero. Mas você sempre tenta injetá-los com um certo grau de profundidade, camadas e um pouco de peso. Porque esses personagens têm que estar em situações com as quais o público se identifica, esse mal e o medo. É tudo uma questão de medo, o que isso pode fazer às pessoas e como pode transformá-las em monstros.

Uma tragédia horrível

PM: Eu concordo com o que você está dizendo. Mas aqui está a pergunta difícil. Clint Eastwood enfrentou muitas reviravoltas por Gran Torino. A crítica era que ele não poderia fazer isso se fossem judeus ou negros. Essas calúnias étnicas asiáticas. A única coisa que me veio à cabeça foi: poderiam ser negros? Agora, você acabou de dizer que o roteiro original era Africanos na Irlanda do Norte. Isso deve ter soado o alarme do estúdio. Houve uma nota para diminuir o racismo?

André Baird: Sim, como eu disse, ter uma família afro-americana nesse cenário era demais. Principalmente como um cara branco que lida com uma família afro-americana que está sendo perseguida. É um não, não. É um assunto muito quente. Se eu fosse africana, ou cineasta afro-americana, ou mesmo mulher, uma mulher pode ser branca. Mas se sou transgênero, melhor ainda, estou de vestido, posso fazer o que puder. Corte suas cabeças. É tudo bobagem. Mas essa é a realidade em que estamos hoje. Você só precisa ter muito cuidado.

André Baird: Sou um pouco renegado. Mas espero que haja um tratamento genuíno das situações no filme. Não é desagradável, você sabe, como você disse sobre a pornografia de tortura ou algo assim. Não há nada desagradável. Não existe nenhum tipo de, qual é a palavra, gratuito? É genuinamente uma história de amor entre essas pessoas. Esse cara está tentando se reconectar com o amor de sua vida. Ele perdeu a esposa. É uma tragédia horrível. Em determinado momento do filme, ela estava grávida no roteiro. Nós pensamos, isso está indo longe demais.

Relacionado: 20 filmes de vampiros mais estilosos de todos os tempos

PM: Vamos passar para o elenco. Alex Pettyfer e Guy Pearce são os protagonistas. Mas Crystal Yu e William Gao, que interpretam a mãe e o filho, são a espinha dorsal emocional. Você sente a dor deles por estar aterrorizado e traumatizado. Fale sobre suas escolhas de elenco.

André Baird: Reynolds era a chave. Foi provavelmente o melhor papel que já li em um roteiro. Achei que era um papel realmente poderoso. E conseguir um grande ator, como Guy, complementaria essencialmente o papel de Fallon (Pettyfer) em Homem Sem Nome. Guy é a única pessoa que pode interpretar Reynolds? Claro que não. Mas isso requer um grande ator. Não conheço outro grande ator nesse papel. Guy traz seu próprio DNA para o filme. Alex havia trabalhado com Guy. Ele é fantástico. Tenho um ótimo relacionamento com os dois. Alex realmente vai se tornar uma grande estrela novamente. Ele tem tudo e eu o amo. Tivemos essa colaboração. Houve muita experimentação acontecendo no filme.

André Baird: Crystal, é aí que entra o verdadeiro elenco. Você está trabalhando com atores que não têm o mesmo catálogo de trabalho e experiência de Guy, e Alex fez bastante trabalho. Crystal estava na fita. Ela foi a única pessoa que se destacou na fita. Acho que ela fez um ótimo trabalho. Muitas pessoas elogiaram seu papel. William fez um programa no Netflix. Ele também é um artista. Eu o lancei com um tiro na cabeça porque sou muito instintivo com o elenco. Eu meio que vejo o que foi feito antes. Como eles se parecem? Você pode ver isso em seus olhos. Então Riley [Chung], a menina, era extraordinária. Ela foi fantástica. Isso envolveu bastante elenco. Eu realmente tento me orgulhar de garantir que todos os atores se complementem.

André Baird: Tinha um cara, John Connors, que é da Irlanda. Ele é do que chamam de comunidade itinerante. Os viajantes na Irlanda foram perseguidos como os afro-americanos na América, tratados como merda. João é extraordinário. John e Barry Keoghan trabalharam juntos anos atrás. Eles são amigos. John é tão poderoso quanto Barry, que eu acho incrível. A melhor coisa para mim ao fazer esses filmes é reunir esses atores maravilhosos. E incorporar esses personagens e contar suas histórias.

PM: Vamos discutir o design de produção e a cinematografia. O filme tem uma sensação atmosférica tão estranha. Lapso de tempo, uso de névoa, sombras e luz, o ambiente é central no noroeste do Pacífico. A chuva torrencial e o nevoeiro desempenham um papel muito importante. Não há nada ensolarado ou seco no filme.

André Baird: Filmamos o filme na Irlanda do Norte, acredite ou não. Não foi filmado no noroeste do Pacífico. Falou-se em fazer isso nos EUA, mas mais pessoas estão tentando encontrar maneiras de fazer filmes fora dos EUA por vários motivos financeiros. Então, na Irlanda do Norte, e a certa altura, o filme foi inicialmente ambientado lá. Encontramos uma floresta incrível chamada Gortin Glen. Parecia algum lugar no Oregon. Estava a chover. Estava enevoado. Estava molhado. O clima complementou o clima do filme. Agradeço o que você disse porque eu era designer de produção. Uma das coisas que faço é criar mundos. Isso é quase uma segunda natureza.

André Baird: Eu tive um designer maravilhoso. O nome dele é Ashleigh Jeffers, da Irlanda do Norte. Então eu trouxe um DP [cinematographer] de Nova York que é eslovaco. Fizemos videoclipes em Nova York. Seu nome é Ivan Abel. Este foi seu primeiro filme, mas ele é um artista. Ele é incrível. Estamos falando sobre colaborar no próximo filme. É uma terra atmosférica muito escura, taciturna e meio machucada. A equipe brilhante, praticamente todo mundo que trabalhou neste filme era da Irlanda do Norte. É uma verdadeira vitrine do que pode ser feito ali. Eles fizeram A Guerra dos Tronos. Eram todos norte-irlandeses, exceto eu, Ivan, os atores e alguns dos produtores. 95% deles eram daquela região.

PM: Você falou sobre seu próximo projeto. O que você pode nos contar sobre isso?

André Baird: Estou escalando meu próximo filme [Cape Point] isso será feito na África do Sul. Vou conhecer a África este ano, tudo isso.

Enquanto isso, podemos ver Nascer do sol, que teve um lançamento simultâneo nos cinemas, digital e VOD em 19 de janeiro pela Lionsgate. Você pode alugá-lo ou comprá-lo em plataformas digitais como Vudu, Prime Video ou abaixo através do Google Play.

Assista no Google Play