ANTENA DO POP - Diariamente o melhor do mundo POP, GEEK e NERD!
Shadow

Revisão da Freira II | Os hábitos das freiras tornam-se velhos hábitos no filme mais ou menos

O enredo de A freira, lançado em 2018, era bastante direto, se você estiver sendo gentil, ou malpassado, se estiver sendo mais crítico. Tudo se resume a um padre e uma freira investigando uma abadia mal-assombrada com um entregador, com as histórias do trio apenas levemente abordadas. Por contraste, A freira II está positivamente repleto de enredos e subtramas, embora isso não seja necessariamente uma coisa ruim se você conseguir fazer isso direito.


O entregador mencionado é Maurice Theriault (Jonas Bloquet), também conhecido como Frenchie. No final do primeiro filme, ele acabou possuído por Valak, a Freira Demônio (Bonnie Aarons). Quando esta sequência começa, os dois estão se movendo pela Europa, com Valak usando Frenchie para assassinar membros do clero por razões que serão reveladas mais tarde. No final das contas, Frenchie acaba em um internato francês com um passado violento e assustador, mesmo sem demônio. Enquanto está na escola, Frenchie se torna zeladora e faz amizade com Sophie (Katelyn Rose Downey), uma jovem que sofre bullying na escola. Ele também desenvolve uma atração romântica mútua com Kate (Anna Popplewell), mãe de Sophie.

Irmã Irene (Taissa Farmiga), a freira não-demônio do primeiro filme, retorna para deter Valak mais uma vez e é auxiliada pela irmã Debra (Storm Reid). Embora você possa ter pensado que a falta de marketing em torno de uma estrela em ascensão como Reid pode ter sido devido ao fato de ela ter um papel sensível na trama, na verdade é porque ela tem uma parte muito pequena no grande esquema das coisas. A irmã Debra cumpre o papel de companheira da irmã Irene, embora tenha uma subtrama sobre a luta contra sua fé depois que um ataque racial ceifou a vida de sua mãe.


Valak e a conexão entre dois Farmigas

Taissa Farminga e Bonnie Aarons em A Freira II (2023)
Imagens da Warner Bros.

Eventualmente, é revelado que Valak não está assassinando esses membros do clero apenas por diversão. É assassiná-los porque são descendentes de Santa Lúcia, padroeira dos cegos, cujos olhos se tornaram um poderoso artefato religioso. O objetivo de Valak no filme é, na verdade, colecionar os olhos por motivos um pouco obscuros.

RELACIONADO: Os melhores filmes de terror religioso de todos os tempos

A freira II não se detém muito nisso, mas há algumas especulações sobre o demônio querer recuperar o poder divino que tinha quando ainda era um anjo, apesar do fato de Valak parecer muito poderoso mesmo sem os olhos. Já conseguiu escapar de quantos exorcismos neste momento? Nem faz nada tão impressionante quando finalmente chama a atenção. De qualquer forma, isso realmente não importa. Valak quer um MacGuffin – e um nojento – porque é o MacGuffin. É hora de seguir em frente.

Embora nunca tenha sido dito diretamente em voz alta, a implicação no filme é que a Irmã Irene é descendente de Santa Lúcia, junto com Lorraine Warren (Vera Farmiga), e é por isso que ambas são médiuns. A maioria do público provavelmente esperava uma revelação como essa, porque é muito difícil ignorar que Taissa e Vera Farmiga são parentes. No mundo da ficção, é improvável que dois personagens sejam tão parecidos e não tenham nenhuma conexão.

A Freira II está… bem

O elenco da Freira 2
Warner Bros.

Os dois primeiros atos são muito ‘já estive lá, fiz aquilo’. Ah, olhe, são cinco minutos de ruído ambiente seguidos de um susto, ou algo estranho está escondido no canto da tela. A Conjuração O Universo está começando a se tornar complacente da mesma forma que o Universo Cinematográfico Marvel (MCU) se tornou complacente. Claro, isso é realmente difícil de evitar quando você está com nove parcelas de qualquer franquia.

Relacionado: The Nun Recap: O que você precisa saber antes de assistir The Nun II

Claro, a parte realmente importante de qualquer filme é o final. Como Robert McKee (Brian Cox) diz em Adaptação, contanto que você acerte o último ato, o público pode perdoar muitas das falhas que possa ter nos dois primeiros. A esse respeito, não podemos negar que o final de A freira II é bastante arrepiante. Todas as diferentes partes do filme se combinam muito bem. Infelizmente, o clímax pode salvar A freira II de ser um filme ruim, mas não o salva de ser pouco mais que bom.

Nós aplaudimos A freira II por querer contar mais de uma história, com um bom clímax, e com personagens e atuações mais simpáticas que o filme original, mas este dificilmente está entre os melhores da série. Você pode dizer A freira II é melhor que A conjuração: o diabo me fez fazer isso, filme anterior da franquia e também dirigido por Michael Chaves. Infelizmente, ser melhor do que aquele que é sem dúvida o pior filme de A Conjuração a trilogia, que em breve será quadrilogia, não é uma grande realização.

A freira II está agora nos cinemas.