ANTENA DO POP - Diariamente o melhor do mundo POP, GEEK e NERD!
Shadow

O misterioso desaparecimento de Zatch Bell, explicado

Resumo

  • Zatch Bell! é uma franquia esquecida, apesar de sua popularidade inicial e adaptação de anime bem-sucedida na América.
  • Questões de bastidores e um processo judicial entre o criador, Makoto Raiku, e Shogakukan contribuíram para a queda da franquia na obscuridade.
  • A perda dos direitos de Zatch Bell! resultou na interrupção dos planos de distribuição e localização incompleta, deixando os fãs incapazes de terminar a história.


Uma das coisas mais fascinantes de relembrar animes e mangás antigos é ver quais franquias permanecem na consciência do público e quais são esquecidas. Duplamente porque isso não está diretamente relacionado à popularidade, já que alguns programas que foram desprezados ou esquecidos durante sua exibição inicial se transformam em clássicos cult com bases de fãs constantemente ativas, e franquias que inicialmente eram populares desaparecem rapidamente da mente do público. Nenhuma série se enquadra mais nesta última categoria do que Zatch Bell! Apesar de ser amado, agora é difícil encontrá-lo na América. Mas a razão para este desaparecimento repentino é fascinante e dá uma visão profunda da indústria do mangá.

Zatch Bell! (ou Konjiki no Gash!! como é intitulado no Japão) fez sua estreia no Shogakukan’s Domingo Shōnen semanal revista em janeiro de 2001. Escrito e ilustrado por Makoto Raiku, o mangá segue um menino chamado Kiyo Takamine, que mora sozinho com sua mãe enquanto seu pai permanece distante. Tudo isso muda quando o pai de Kiyo explora uma floresta na Inglaterra. Nesta floresta, ele encontra um garoto inconsciente chamado Zatch Bell segurando um livro estranho. O pai de Kiyo manda o menino morar com Kiyo, esperando que um dia ele recupere suas memórias e explique o livro que estava segurando. Mas Kiyo rapidamente descobre que Zatch não é um garoto normal. Ele é um Mamodo, uma criatura sobrenatural de um mundo paralelo. O livro é o livro de feitiços de Zatch. Quando um humano lê, Zatch pode disparar raios e usar outras habilidades. Infelizmente, a leitura do livro faz de Kiyo o parceiro de Zatch, puxando-os para o torneio Mamodo, uma batalha que ocorre uma vez a cada 1000 anos, onde o vencedor se torna o rei Mamodo.

Relacionado: 10 anime esquecido por criadores lendários


A ascensão de Zatch Bell!

Kiyo e Zatch Bell

O mangá foi popular e recebeu uma adaptação para anime, com 150 episódios entre 2003 e 2006. É por esse anime que muitos fãs americanos de anime reconhecerão a franquia, já que a Viz Media licenciou tanto o anime quanto o mangá para distribuição americana. Uma dublagem inglesa do Zatch Bell! O anime foi exibido como parte do lendário bloco de anime Toonami do Cartoon Network e do bloco diurno Miguzi entre 2005 e 2007, o que significa que muitos jovens fãs de anime o viram, mesmo que não tenha atingido as mesmas alturas que Pokémon e animes semelhantes. Parte disso ocorreu porque nem o anime nem o mangá terminaram sua exibição na América, com apenas os primeiros 104 episódios sendo dublados, dos quais apenas 77 foram transmitidos no Cartoon Network devido à tentativa da rede de mudar sua produção para aumentar suas classificações de declínio. Os lançamentos caseiros da dublagem não foram muito melhores, com os 13 DVDs lançados chegando apenas ao episódio 52 da dublagem. A localização do mangá traduziu apenas 25 dos 33 volumes originais, o que significa que os fãs de língua inglesa não conseguiram terminar a história.

Uma grande razão para a queda da franquia na obscuridade são os problemas de bastidores que ocorreram durante a produção do mangá e chegaram ao auge quando o mangá terminou. Durante a criação do mangá, Raiku e seus editores tiveram um relacionamento gelado, com Raiku se sentindo sobrecarregado a ponto de ficar exausto. Isso é perceptível nas páginas bônus do mangá, onde Raiku frequentemente faz referência a estar cansado ou a ter pouco tempo livre. Embora possam ser vistas como uma piada, à medida que os volumes avançam, essas reclamações tornam-se mais sérias, deixando claro que não se trata apenas de uma piada autodepreciativa. Isso atingiu o auge em 2005, quando a série entrou em um hiato devido a Raiku machucar a mão. Em um dos capítulos bônus, ele explica por que isso aconteceu, dizendo que bateu a mão na mesa em um momento de estresse causado pelos prazos apertados. Logo depois disso, sua mão inchou e começou a sangrar, fazendo-o pensar que a havia quebrado. Ele correu para o hospital, apenas para descobrir que a mão estava tão danificada que a medula óssea ficou exposta ao ar, o que significa que ele esteve muito perto de uma infecção bacteriana que poderia tê-lo levado a perder a mão, forçando-o a ir rapidamente para a cirurgia. . Por causa disso, ele teve que levar vários meses para se recuperar, algo que Raiku afirma ter despertado a ira de seus editores e da equipe da Shogakukan.

Além de azedar ainda mais o relacionamento entre Shogakukan e Raiku, esse hiato também causou problemas para a Toei Animation, a empresa que produz o anime. Durante o intervalo, o anime alcançou o mangá e a Toei tentou continuar a história. Para fazer isso, a empresa usou os esboços que foram dados anteriormente, mas teve que escrever muito conteúdo original para preencher as lacunas e dar corpo ao programa, fazendo com que ele se desviasse fortemente da direção que o mangá seguiu, uma vez que Raiku se recuperou o suficiente para continuar. criando-o. Raiku não gostou desses desvios, mas disse nas redes sociais que os considerava bons o suficiente. Mas este momento colocou ainda mais pressão sobre o seu relacionamento com a Shogakukan e a indústria como um todo.

Assim que a história do mangá foi concluída, Raiku anunciou que não trabalharia mais para Domingo Shōnen semanal editores Shogakukan por meio de uma postagem de perguntas e respostas em seu blog publicada em 21 de maio de 2008. A informação era escassa, mas Raiku observou que falaria mais sobre isso em uma postagem posterior. Poucos dias depois, ele postou novamente, dizendo que assim que anunciou o fim de seu tempo na Shogakukan, muitas pessoas entraram em contato com ele, oferecendo-lhe trabalho. Então, depois de mais alguns dias, ele postou mais uma vez, dizendo o quanto estava agradecido pelas ofertas de trabalho, mas também mencionou o desejo de tirar uma folga, já que trabalhou por tanto tempo na história anterior, mas fez está claro que ele tinha muitas ideias para séries futuras.

O processo

Mangá Kiyo e Zatch Bell

No entanto, em junho, a decisão de Raiku de deixar a Shogakukan gerou manchetes quando Raiku entrou com uma ação judicial contra a Shogakukan. Na indústria de mangá, é tradição que uma editora devolva quaisquer manuscritos originais ao criador quando ele sai da empresa. No entanto, Shogakukan não conseguiu encontrar cinco peças coloridas que Raiku havia enviado. Em uma postagem no blog, Raiku identificou os manuscritos perdidos como duas partes do primeiro volume, uma parte do nono volume, uma do décimo quinto volume e uma do volume onze. No texto da ação, Raiku disse que queria 3,3 milhões de ienes em restituição e honorários advocatícios. Ele também queria que o acordo entre ele e a empresa incluísse um texto reconhecendo o “valor artístico dos esboços originais do mangá” e também pressionou para que Shogakukan fizesse uma declaração conjunta com ele, reconhecendo o valor artístico das obras de arte originais.

No texto do processo, Raiku deixou claro que via o processo como uma posição contra empresas que sobrecarregavam seus artistas de mangá. No processo, ele observa que a maioria dos artistas de mangá são pagos em atraso, só recebendo dinheiro quando seu trabalho é publicado, o que significa que muitas vezes eles podem perder dinheiro devido a empresas ou editores que lhes pedem para realizar tarefas impossíveis. Ele também chamou a atenção para o bullying desenfreado dentro da indústria e para quantas empresas exploraram o desequilíbrio de poder entre artistas e editores. Este processo causou repercussões na indústria, e muitos outros artistas de mangá falaram sobre isso, incluindo muitos que trabalharam em séries serializadas em outros títulos de propriedade da Shogakukan. Isso incluiu Feitiço de Amor Demoníaco criadora Mayu Shinjo e Vida Selvagem escritor Masato Fujisaki.

Em novembro de 2008, o processo foi resolvido. Raiku não conseguiu obter nenhuma de suas declarações, mas recebeu 2,55 milhões de ienes em indenização, e Shogakukan emitiu um pedido oficial de desculpas pelo manuseio incorreto das peças originais de Raiku. Numa conferência de imprensa convocada após o processo, Raiku citou o famoso discurso de Neil Armstrong “um pequeno passo para o homem”, dizendo que o resultado foi um grande passo para os criadores de manga.

Relacionado: 10 animes esquecidos do primeiro semestre de 2023 que merecem outra chance

Devido à saída de Raiku, Shogakukan perdeu os direitos de Zatch Bell! A perda desses direitos causou problemas na distribuição internacional, pois anulou contratos anteriores. Viz Media, a empresa com os direitos de distribuição de anime e mangá na América, é parcialmente propriedade da Shogakukan e da Shueisha. Na postagem original detalhando o processo, Raiku deixou claro que não trabalharia mais com a Shogakukan como entidade, não apenas com a entidade específica. Domingo Shōnen semanal revista, porque a Shogakukan frequentemente transferia editores entre departamentos, o que significa que trabalhar para outra entidade da Shogakukan arriscava Raiku ter que lidar com os editores que o fizeram irritar a empresa. Assim, como a Viz Media faz parte do Shogakukan, e devido às pontes queimadas em ambos os lados, Raiku não chegou a fechar novos acordos com a Viz, o que significa que mais qualquer localização do Zach Bell teve que parar e o material já concluído não pôde ser reeditado. É por isso que dois filmes baseados na propriedade, Zatch Bell!: 101º Diabo e Zatch Bell! Filme 2: Ataque de Mechavulcan teria lançamentos na América do Norte em 2018, já que eram administrados pela Discotek Media, que não é afiliada de forma alguma à Shogakukan.

Isso estava longe de ser o fim para Makoto Raiku. Desde o processo, ele trabalhou em muitos projetos fascinantes. Seu próximo grande anime foi Terra Animal, que correu no Kodansha’s Revista Bessatsu Shōnen de 2009 a 2014. Isto seria seguido por Bola de vetor, que foi serializado em Revista Shōnen semanal começando em 2016. No entanto, esta série terminou abruptamente em 2017, quando Raiku se recusou a continuar a história devido a um desentendimento com o editor, levando à sua saída da Kodansha. Desde então, ele republicou vários de seus trabalhos mais antigos como edições coletadas e, em 2022, montou um estúdio pessoal de mangá chamado Birgdin Board. Como parte deste estúdio Raiku começou a trabalhar em uma sequência de Zatch Bell! intitulado Corte Dourado!! 2, que está sendo publicado on-line.

A história de Zatch Bell! é fascinante e triste. Mostra como a indústria do mangá pode ser punitiva e como é fácil para os criadores serem explorados e sobrecarregados devido à falta de proteção que os artistas recebem. Também mostra como é difícil distribuir uma franquia globalmente, pois as situações podem mudar rapidamente, fazendo com que os planos tenham que ser cancelados, não importa quanto trabalho tenha sido concluído anteriormente. Esperançosamente, um dia, uma empresa poderá encontrar uma maneira de trabalhar com Raiku e distribuir Zatch Bell! na América do Norte para que os fãs novos e antigos da franquia possam desfrutar de toda a história.